O inumação do corpo de Letícia Sousa Amadurecido de Melo, de 26 anos, foi executado nesta terça-feira (27), no Necrópole de Planaltina, no Distrito Federal. O acompanhamento nefasto foi lesado pela forte emoção.

Letícia desapareceu na sexta-feira, e o corpo foi achado na segunda. Ela foi assassinada pelo cozinheiro Marinésio dos Santos Olinto, de 41 anos. O homem está encarcerado e é combinado pela polícia como extravagante em série.

O inumação foi lesado pelas várias lágrimas das indivíduos que foram se licenciar. Um dos momentos mais emocionantes foi no momento em que uma tia de Letícia leu uma letra hábito pela mãe da jovem.

A mãe de Letícia pediu para não ter o nome divulgado e não conseguia anunciar, por causa de à forte emoção. Um trecho da letra dizia que a segunda-feira, dia em que o corpo foi achado, “foi o mais triste da minha vida ”.

A letra hábito pela mãe similarmente abordava uma das paixões de Letícia: o Direito. Ela decidiu ser advogada depois de trabalhar como menor discípulo no Fórum do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT).

Mais de mil indivíduos compareceram ao Necrópole de Planaltina para se licenciar de Letícia. Seu consorte, Kaio Fonseca Amadurecido, aparecia claramente comovente. Eles eram casados e evidencia um filho de 3 anos. No velório e inumação, vários colegas foram entrevistados e ressaltaram o modo amoroso, camarada e sui generis de Letícia.

Na sexta-feira, o percurso dela cruzou com a de Marinésio. O cozinheiro ofereceu serviço de transporte a ela do ponto no qual estavam até a Esplanada dos Ministérios por R$ 5. No percurso, tentou preservar relações com a jovem. Perante da repulsa, terminou com a vida da jovem.